BLOG

tipo de argila para o rosto

Quais tipos de argila indicados para cada rosto?

Por: Trópica Botânica em 16/01/2020

Descobrir o mundo das argilas pode ser fascinante: são muitos os tipos, cores e os benefícios que elas oferecem. Mas quais tipos de argila ideais para cada rosto?

Para começar é importante lembrar algumas coisas: primeiro, a necessidade de escolher argilas de excelente qualidade e procedência! A argila vem da terra, habitat natural de milhares de seres vivos microscópicos que podem ainda estar presentes em argilas de má procedência. Esses seres vivos como fungos e bactérias podem contaminar seu organismo, ao invés de facilitar a ação terapêutica da argila na pele. Portanto antes de mais nada tenha a mais absoluta certeza da qualidade da sua argila!

Segundo ponto: a máscara de argila não deve secar completamente na pele a ponto de repuxá-la. A máscara de argila age na presença da água – quando ela evapora, a argila passa então a retirar a umidade da pele. O ideal é que ela fique sobre a pele tempo suficiente até que comece a secar, ou que você prolongue sua hidratação borrifando algum líquido. Pode ser infusão de ervas, hidrolato ou a água mesmo! Portanto cuidado ao aplicar uma máscara e ir realizar outras tarefas 🙂

E, por fim, terceiro ponto: se a pele do seu rosto é mista você pode escolher tipos de argila diferentes para cada parte do seu rosto 🙂 Isso vale igualmente para o uso de argila no corpo. Áreas mais oleosas podem pedir um tipo de argila, mais sensíveis outro, com manchas ainda outro. Saber qual tipo de argila usar em cada área é simples e vamos te ajudar.

Tipos de argila para todas as peles:
coringas da skincare natural

argila dourada e argila branca clareia mancha

Muitas vezes encontramos indicações  padronizadas para argilas, como “argila dourada ilumina a pele”, ou “argila branca clareia a pele”. Apesar de ambas informações estarem corretas, seus benefícios vão além e podem auxiliar todos os tipos de pele. Em peles oleosas elas auxiliam a reduzir os poros, regular a oleosidade e uniformizar a textura, principalmente da zona T (queixo, nariz e testa).

Peles sensíveis ou com tendência a dermatite [1] podem se beneficiar imensamente de ambos tipos de argila, principalmente das propriedades da argila branca, que é extremamente suave e gentil.

Seu uso por peles secas e maduras é igualmente indicado, tanto pelas suas propriedades antioxidantes quanto pela suavidade, que evitam o ressecamento que pode ser causado por argilas mais adsorventes, como a argila verde, por exemplo.

Ambas auxiliam na uniformização da textura e tom da pele e podem ajudar na redução de manchas. O uso indicado é semanal e deve ser acompanhado de outros cuidados de hidratação e nutrição da pele.

Argilas para peles oleosas:
poder de regulação e limpeza pela adsorção

argila preta e argila verde

Talvez o mais conhecido de todos seja o uso da argila verde no rosto, especialmente em peles oleosas. Isso porque ela e argila preta agem equilibrando a produção sebácea e limpando impurezas com sua ação adsorvente.

Aqui, um cuidado: aplicações frequentes ou longas desses tipos de argila podem irritar peles mais sensíveis. Isso pode estimular tanto a produção sebácea quanto o surgimento de mais espinhas uma vez que a argila “puxa” impurezas para a superfície da pele. Nesse caso o segredo para não ter efeito rebote da argila é o equilíbrio: a aplicação não deve durar mais de 25 minutos [2] e deve ser realizada no máximo quinzenalmente.

Se a busca é por tratar cravos ou espinhas, a dica é aplicar a argila dissolvida em água quente ou morna: a temperatura mais alta aumenta a perspiração, abrindo os poros e potencializando a ação da argila [3]. Há ainda a possibilidade de fazer uma leve esfoliação antes de aplicar a máscara de argila, desobstruindo previamente alguns poros e facilitando sua ação.

Ainda, se sua pele for sensível, o segredo é usar como spot treatment: pequenas quantidades de argila em pequenas regiões mais necessitadas, como apenas no nariz, queixo ou sobre pequenas espinhas. Semanalmente há a possibilidade de intercalar com a aplicação de argila branca, máscara caseira de aveia ou emplastro de inhame. Após a aplicação e enxágue o ideal é hidratar a pele com produtos naturais com ativos reguladores da oleosidade, como os que levam tea tree, copaíba ou jojoba em sua composição.

Argilas para peles secas e maduras:
antioxidantes e estímulo à produção de colágeno

argila vermelha e argila roxa

Peles secas e maduras tendem a ser mais suscetíveis à sensibilização, e por isso é necessário escolher a argila certa para seu tipo de pele. Ela deve trazer benefícios para a saúde do rosto, sem que resseque, repuxe ou irrite a pele – por isso é sempre necessário atentar para as dicas de uso que demos no começo desse artigo.

Menos popular no tratamento com argila, os benefícios das argilas vermelha, rosa (que é uma mistura da argila vermelha e branca) e roxa são ideais para o uso em peles secas e maduras pela sua composição, rica em magnésio e óxidos de ferro e cobre. São eles que dão seus tons que vão do vermelho escuro ao roxo e agem tanto como antioxidantes quanto no estímulo à síntese de colágeno nesses tipos de argila.

Seu uso deve ser quinzenal e sempre intercalado com a argila branca ou a máscara de aveia. Após o enxágue é essencial o cuidado da pele com aplicação de potentes hidratantes naturais, a base de óleos e manteigas emolientes como o açaí, girassol, cupuaçu ou cacau e óleos essenciais como lavanda e gerânio.

.

Dá pra usar argila no cabelo?

Argilas são versáteis e podem tranquilamente ser usadas nos fios, especialmente no couro cabeludo! As regras de indicação são as mesmas explicadas acima para a pele, considerando as mesmas características nos fios ou o couro cabeludo. Sempre lembrando que não se deve aplicar argila no cabelo mais de uma vez por semana, nem na pele ferida.

Enquanto a aplicação de argila no rosto é mais simples, seja no couro cabeludo ou nos fios o cuidado precisa ser em torno da fricção: não se deve massagear ou esfregar os fios durante a aplicação da argila. Isso porque ela pode danificar as cutículas, levando ao ressecamento ou surgimento de frizz.

O ideal é aplicar a argila em movimentos suaves de cima para baixo e não deixar que ela resseque nos fios, se atentando a seu tempo de aplicação ou hidratando com um borrifador de água. O enxágue da argila no cabelo deve ser realizado cuidadosamente, sem friccionar os fios, até que toda ou quase toda a argila seja retirada. Depois é só lavar normalmente com shampoo de sua preferência, hidratar bem a região onde foi aplicada, e condicionar os fios ao final.

Cuidados necessários no uso da argila

Argilas ainda podem ser encontradas em cremes ou sabonetes naturais, onde agem de formas um pouco distintas e nesse caso é necessário portanto seguir a orientação do fabricante.
Para preparar a argila se deve usar recipiente de vidro ou cerâmica, e evitar potes metálicos. É importante sempre lembrar que argilas não devem ser aplicadas na pele ferida e jamais ser armazenadas depois de hidratadas, ou seja, misturadas em água. Seu uso é imediato para que não haja risco de contaminação e para isso o ideal é que seja preparada somente a quantidade necessária para a aplicação, sem desperdícios.

Sabendo de tudo isso, agora é só escolher o tipo de argila ideal para você e começar a usar 🙂

Bibliografia:

[1] MOOSAVI, Maryam. Bentonite clay as a natural remedy: a brief review. Iran J Public Health. 2017 Sep; 46(9): 1176–1183.

[2] VISCERAS C. et al. Uses of clay minerals in semisolid health care and therapeutic products. Applied clay sciences. Volume 6. Issues 1-3. April 2007, Pages 37-50.

[3] VELASCO, Maria Valéria Robles; PINTO, Claudinéia Aparecida Sales de Oliveira; ALMEIDA, Mariana M; et al. Characterization and Short-Term clinical study of clay facial mask. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, Araraquara, v. 37, n. 1, p. 1-6, 2016.


Imagens: Acervo Trópica Botânica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *